Pesquisa foi publicada pela FGV/EAESP, coordenada pelo professor Fernando S. Meirelles e traz avaliação do setor no início de 2021

Pesquisas e estudos são ótimos termômetros para obter uma visão macro de cenários e, assim, traçar planos e estratégias. Sabendo da importância destas publicações para o mercado brasileiro, a FGV/EAESP divulgou recentemente a 32ª edição da Pesquisa Anual do Uso de TI nas Empresas 2021.

A pesquisa realizou levantamentos com 2.636 empresas (66% das 500 maiores do Brasil) e faz parte do Fórum de Informações permanente sobre o Uso de TI nas Empresas. Suas conclusões objetivam o conhecimento do panorama das organizações brasileiras e são apresentadas nos cursos de Tecnologia de Informação da FGV/EAESP.

Além de dados atualizados do cenário, como números relativos a uso de dispositivos, softwares, aparatos tecnológicos, investimentos e custos, a publicação ainda traz alguns insights para profissionais da área de TI. Confira abaixo sete tópicos destacados pela pesquisa:

1) Dois dispositivos digitais por habitantes: Segundo a FGV, há 440 milhões de dispositivos digitais (computador, notebook, tablet e smartphone) em uso no Brasil (corporativo e doméstico);

2) Vendem-se quatro celulares por TV no Brasil: Além de uma TV por computador no Brasil, bem como ao redor mundo;

3) 200 milhões de computadores em uso no Brasil em 2021: 9,4 computadores para cada 10 habitantes ou 94% per capita (desktop, notebook e tablet). A venda anual de computadores em 2020 foi 11 milhões, 8% menor que 2019 e menos da metade do pico de 2013. Lembrando que, como há mais pessoas trabalhando, estudando e permanecendo mais tempo em casa, a tendência é que haja um aumento no uso e venda destes aparelhos;

4) Mais de um smartphone por habitante: São 242 milhões de celulares inteligentes (smartphones) em uso no Brasil – ou ainda, 346 milhões de dispositivos portáteis (celular, note, tablet);

5) Gasto e investimento em TI continuam crescendo: Trata-se de 8,2% da receita das empresas;

6) Custo anual de TI por usuário: Segundo o coordenador da pesquisa da FGV, professor Meirelles, o valor foi de R$ 48.000,00 (gastos e investimentos em TI em 2020 dividido pelo número de usuários das empresas);

7) Inteligência analítica [BI – Business Intelligence and Analytics]: Investimentos nessas ferramentas continuam em alta.

Anos em meses
Segundo o estudo da FGV, a transformação digital continua acelerada em 2020 e 21. Entre os maiores responsáveis estão os smartphones, usados principalmente para aplicações de bancos e mídias sociais. A publicação cita ainda uma ruptura na utilização de dispositivos digitais, antecipada pelo distanciamento social ocasionado pela pandemia, ensino e trabalho a distância, capazes de deixar marcas permanentes.

Valores notáveis
Outro tópico da pesquisa é a manutenção do crescimento de gastos e investimentos em TI nas empresas. Estes indicadores continuam crescendo em valor, maturidade e importância, não apenas para as companhias já existentes, mas também para novos modelos de negócio.

Principais projetos
Entre os projetos com maior investimento, a maioria das empresas que participaram do estudo afirma que o foco está em Inteligência Analítica (Analytics) e “o novo” ERP (Migração, Implementação e Integração).

Outras frentes citadas pelas grandes empresas foram: busca de talentos, governança de TI, inteligência artificial, IoT e nuvem. Fora isso, há ainda grande foco no alinhamento estratégico e transformação digital.

Fonte: FGV/EAESP

Autor Editor

Mais posts de Editor

Deixe aqui seu comentário